GLOMN Regular, Reconhecida e Aceita - segundo as Leis e Antigas Tradições Maçônicas

Dentro da Regra dos 12 pontos da Maçonaria Universal, 7 (1989) e 8 (1929) dos Princípios Básicos de Reconhecimento da Grande Loja Unida da Inglaterra, Landmarks e Constituições
Tratado de Reconhecimento da GLOMN com a Grande Loja Maçônica Melckzedeck (Foto: Arquivo J e C GLOMN)

A Grande Loja Maçônica Nacional – GLOMN - é uma Potência Regular, Reconhecida e Aceita. Isso não temos dúvida.


Esse é um tema que cria muitas divergências e discussões.


Infelizmente muitas associações que se dizem maçônicas disseminam Fake News a respeito, criando narrativas errôneas no meio maçônico brasileiro.


Na maçonaria brasileira, a exemplo da mexicana, o ato de reconhecer se tornou disputa de poder, jogo de vaidades, ego e manutenção de poder corrupto. Esse movimento é percebido principalmente nas obediências mais antigas e maiores.


“Ah.... aquela potência é espúria, a minha é regular”. “Ahhhh... porque aquela Potência não é Reconhecida por tal Potência não é Regular”. Além de muitas outras afirmações “sem nexo nem cabeça”.


Tais papagaios de plantão, disseminadores de informação falsa, quando indagados sobre a Regra dos 12 Pontos da Maçonaria Universal, ou ainda, sobre os 8 ou 7 Princípios Básicos de Reconhecimento da Grande Loja Unida da Inglaterra, ou sobre os Landmarks de Albert Mackey e as Constituições de James Anderson que deram origem às regras anteriores se calam ou não sabem responder.


Possuem um desconhecimento parcial ou total das leis maçônicas e antigas tradições.


Regularidade e Reconhecimento
Os 25 Landkmarks de Alberto G. Mackey (Imagem: Arquivo J e C GLOMN)

O que é Regularidade? No dicionário on-line de Português, regularidade é a “Qualidade ou estado do que é regular. Conformidade com as leis, com as normas: regularidade do movimento dos corpos celestes”.


No mesmo dicionário, reconhecimento é “Ato ou efeito de reconhecer, admitir como verdadeiro: reconhecimento de um direito. Lembrança de um benefício, gratidão por ele: testemunhar reconhecimento”.


A Regularidade de uma Potência, Loja ou Obreiro são baseados nos Landmarks de Mackey, Constituição de Anderson e Antigas Tradições que devem nortear a confecção das Constituições e Códigos criados para administrar e conduzir os trabalhos de tais unidades maçônicas.


Se um maçom se recusa a seguir essas leis ele passa a ser irregular, da mesma forma uma Potência e assim por diante. E a GLOMN os segue de maneira fiel, justa e perfeita.


À Glória do Grande Arquiteto do Universo
A verdadeira Maçonaria age para que os Landmarks, Constituições e Antigas Tradições Maçônicas sejam perseveradas (Imagem: J e C GLOMN)

O primeiro ponto que consta na Regra dos 12 Pontos da Maçonaria Universal é “1. A Maçonaria é uma Fraternidade iniciática, cujo fundamento tradicional é a crença em Deus, o Grande Arquiteto do Universo”. Essa exigência também é encontrada no terceiro Princípio Básico de Reconhecimento da GLUI (1989, e o segundo no de 1929) que expressa: “3. Os maçons sob a sua jurisdição devem acreditar em um Ser Supremo”.


Todos os obreiros da GLOMN ao serem entrevistados pelos Mestres, quando preencheram formulário de admissão ou regularização para sindicância, em sua investigação social, e até em sua iniciação são indagados ou observados se acreditam em um Poder ou Força Criadora de todo Universo, que é Deus ou como chamamos o Grande Arquiteto do Universo. Em todas as sessões ordinárias ou magnas os obreiros reafirmam sua fé em Deus.


Landmarks e antigas tradições
Constituição de James Anderson (Imagem: Arquivo J e C GLOMN)

Como dissemos anteriormente, não existe maçonaria sem Landmarks, Constituições e Antigas Tradições. O segundo ponto na Regra dos 12 Pontos da Maçonaria Universal diz: “2. A Maçonaria é baseada nos "Deveres Antigos" e nos "Landmarks" da Fraternidade; especialmente no que que tange ao respeito absoluto pelas tradições específicas da Ordem, essenciais para a regularidade da Obediência”.


no sétimo Princípio Básico de Reconhecimento da GLUI (de 1989 e oitavo de 1929) diz: “7. Devem aderir aos princípios estabelecidos (os Antigos Landmarks) e os costumes do Ofício e insistir para que eles sejam observados dentro de suas lojas”.


Desde a confecção de sua Constituição, suas ações e princípios, a GLOMN segue fielmente os Landmarks, as Constituições e costumes de Ofício e ainda os “Deveres Antigos”. Esse é mais um ponto de regularidade da Grande Loja Maçônica Nacional.


Homens Livres (maiores de idade) e de Bons Costumes
As iniciações e aumentos de salários da GLOMN seguem rigorosamente as Constituições, Landmarks e leis antigas tradições Maçônicas (Imagem: Arquivo J e C GLOMN)

No terceiro ponto na Regra dos 12 está expresso: “3. A Maçonaria é uma Ordem à qual eles só podem pertencer a homens livres e boas maneiras, que se comprometem a colocar em prática um ideal de Paz, Amor e Fraternidade”. Ainda no nono ponto da Regra diz: “9 . Os maçons não devem admitir em suas lojas mais do que homens maiores de idade, de reputação perfeita, pessoas honradas, leais e discretas, dignas de qualquer ponto de vista de serem seus irmãos e aptas a reconhecer os limites do domínio e do poder infinito do homem e do poder eterno”.


A sindicâncias da GLOMN seguem a rigor os Princípios e Postulados da Maçonaria Universal como também o Artigo 81 da Constituição da GLOMN. Cumprindo os requisitos acima.


Ainda se tratando da Regra dos 12 Pontos da Maçonaria Universal, em seu 10º consta: “10. Os maçons cultivam em suas Lojas o amor à Pátria, a submissão às Leis e o respeito às Autoridades constituídas, e consideram o trabalho como o Dever principal do ser humano e o honram em todas as suas formas”.


Esse ano, ao menos 7 Obreiros passaram pelo seu Conselho de Justiça da GLOMN por descumpriram esses e outros quesitos. Diante disso, 4 foram sentenciados com pena branda e 3 foram expulsos da Ordem, e todos tiveram amplo direito de defesa.


Isso mostra o compromisso GLOMN com a prática da Verdadeira Maçonaria, conforme exposto no 4º ponto da Regra dos 12: “4. A Maçonaria visa o aprimoramento moral de seus membros, bem como de toda a humanidade”.


Através das suas oficinas e acompanhamento constante, procura aprimorar e potencializar seus obreiros a aplicarem o 11º ponto da Regra de 12 da Maçonaria Universal no seu dia a dia: “11. Os maçons contribuem, pelo exemplo ativo de seu comportamento sábio, viril e digno, para o esplendor da Ordem, respeitando o segredo maçônico”.


Compromissos do obreiro para com seu rito e ritualística, sua Loja e sua Obediência Soberana e Independente

Jantar Ritualístico 1º Semestre da GLOMN 2021 (Imagem: Arquivos J e C GLOMN)

No 8º ponto da Regra dos 12 é reforçado uma vez mais os compromissos que devem ter uma Potência Regular com a ritualística, dos seus obreiros para com sua obediência e fidelidade na qual seus obreiros juraram no ato da iniciação: “8. Os maçons se reúnem, fora do mundo profano, em Lojas onde as Três Grandes Luzes da Ordem sempre devem estar presentes: um livro da Lei Sagrada, um Esquadro e um Compasso, para trabalhar de acordo com o rito, com zelo e assiduidade, de acordo com os princípios e regras prescritos pela Constituição, Estatutos e Regulamentos Gerais de Obediência”.


No 5º Princípio Básico de Regularidade da GLUI (1989 e 6º em 1929) também elucida esse ponto: “5. As três grandes luzes da Maçonaria (que são o Livro da Lei Sagrada, o Esquadro e Compasso) devem estar expostos quando a Grande Loja ou suas lojas subordinadas forem abertas”.


No 2º Princípio Básico de Regularidade da GLUI (1989 e 5º em 1929) também está escrito: “2. Deve ser verdadeiramente independente e autônoma (A Potência) e manter a autoridade incontestável sobre a Maçonaria base (ou seja, os graus simbólicos de Aprendiz, Companheiro e Mestre) dentro da sua jurisdição